sexta-feira, 2 de maio de 2014


                                                                JESUS É LÚCIFER!


Se tem um nome que causa arrepio em muita gente só de ouvir falar é "Lúcifer". Há quem se recuse a pronunciá-lo por achar que está invocando o "príncipe das trevas". O fato é que muitos filmes e livros falam de Lúcifer, como se ele fosse de fato o próprio Satanás, mas, e se tudo estiver errado? E se a partir de agora você descobrisse que Jesus é Lúcifer, e não o Diabo? Eu sei que parece muito estranho alguém fazer uma afirmação dessas mas eu não sou o responsável por isso, como você verá.

Mas a verdade é única e tal afirmação de fato encontra-se nas páginas da Bíblia Sagrada no NT, só que poucos sabem disso. Para a vergonha de muitos, existem satanistas, ateus, ocultistas etc, que estudam mais a Bíblia os que carregam ela debaixo do braço todos os dias. Fiquei surpreso quando descobri que este assunto já é debatido entre eles. A principal diferença, porém, é que eles interpretam de uma forma absurda enquanto que aqui procuro apresentar o real significado do texto em relação a Cristo. Então, em vez de ficarmos comentando sobre algo que não sabemos acho que o mais inteligente é se informar corretamente a respeito, não acha?

Origem da palavra
Se você procurar a definição desta palavra em dicionários da língua portuguesa, por exemplo, acabará achando que ela é mesmo o nome do diabo porque sempre é atribuída a ele, mas existe uma explicação para isso, e você descobrirá nesse capítulo. A palavra Lúcifer significa “o portador da luz”, cuja origem vem do latim pela combinação de duas palavras: lux ou lucis com o significado de “luz” e ferre com o significado de “carregar”. Ele é aquele que traz a luz onde ela se faz necessária.

Lúcifer no AT
A quem se refere os textos a baixo?

"Como você caiu dos céus, ó estrela da manhã, filho da
alvorada! Como foi atirado à terra, você, que derrubava as nações! Você, que dizia no seu coração: 'Subirei aos céus; erguerei o meu trono acima das estrelas de Deus; eu me assentarei no monte da assembleia, no ponto mais elevado do monte santo. Subirei mais alto que as mais altas nuvens; serei como o Altíssimo'. Mas às profundezas do Sheol você será levado, irá ao fundo do abismo!" (Is14:12-15).

Alguns veem nesta passagem a origem do mal, o relato da queda espiritual de Lúcifer, conjugando tal passagem com a de Ezequiel 28: 13-17. Porém, outros entendem que o profeta Isaías refere-se apenas ao personagem histórico, rei da Babilônia, o qual personifica todo o seu império. Na teologia tal assunto é estudado na matéria de angelologia. Quero, contudo, fazer algumas observações sobre o texto de Isaías.

O texto de Exequel não é o que estamos focando, mas vou colocá-lo abaixo apenas para comparação, caso você não o conheça ainda:

“Você estava no Éden, no jardim de Deus; todas as pedras preciosas o enfeitavam: sárdio, topázio e diamante, berilo, ônix e jaspe, safira, carbúnculo e esmeralda. Seus engastes e guarnições eram feitos de ouro; tudo foi preparado no dia em que você foi criado. Você foi ungido como um querubim guardião, pois para isso eu o designei. Você estava no monte santo de Deus e caminhava entre as pedras fulgurantes. Você era inculpável em seus caminhos desde o dia em que foi criado até que se achou maldade em você. Por meio do seu amplo comércio, você encheu-se de violência e pecou. Por isso eu o lancei, humilhado, para longe do monte de Deus, e o expulsei, ó querubim guardião, do meio das pedras fulgurantes. Seu coração tornou-se orgulhoso por causa da sua beleza, e você corrompeu a sua sabedoria por causa do seu esplendor. Por isso eu o atirei à terra; fiz de você um espetáculo para os reis (Ez 28:13-17).



1. A expressão “estrela da manhã”
A "estrela da manhã" aqui se refere ao planeta Vênus. Em nossos dias, com o avanço do conhecimento na astronomia, sabemos que o planeta terra em sua órbita, situa-se entre dois dos oito planetas do nosso sistema solar, a saber, Vênus e Marte. Vênus é o planeta mais próximo da terra, situado a uma distância de aproximadamente 41 milhões de Km, enquanto Marte está a cerca de 56 milhões de Km. O brilho de Vênus anuncia o aparecimento do Sol. No versículo 12, o rei da Babilônia está sendo comparado ao planeta Vênus, devido a expressão "estrela da manhã", usada pelo profeta Isaías. O Planeta Vênus aparece pela manhã no firmamento pouco antes do Sol nascer e, conforme a terra gira, ele eleva-se para o céu até que o seu brilho seja ofuscado pelos raios do Sol. Aliás, o Sol e a Lua são os únicos astros cujo brilho ultrapassam o brilho da estrela da manhã.

A Bíblia de Estudos de Genebra traz o seguinte comentário sobre esta passagem:

"No mundo antigo as observações sobre este ciclo astronômico deram origem a diversos mitos. A Babilônia parece ter pensado sobre si mesma como o cumprimento desse destino celestial, tornando-se um império eterno e universal, mas diante do aparecimento de Deus ( v22), a luz da Babilônia se extinguirá."

A expressão "estrela da manhã", em nossas Bíblias, é a tradução da palavra hebraica הילל (Heylel). Na septuaginta,  a palavra grega utilizada é ἑωσφόρος (Heosfóros). Na profecia poética de Isaías, a expressão "estrela da manhã" também é um nome poético usado por ele para designar que tipo de pessoa era o rei da Babilônia.

2. O monte da congregação ou "monte da assembléia"

"eu me assentarei no monte da assembleia, no ponto mais elevado do monte santo." Isaías 14:12

A linguagem usada por Isaías descreve o rei da Babilônia como alguém presunçoso e atrevido. Na mitologia dos tempos de Isaías, os gentios acreditavam que ao norte havia um monte onde habitavam os deuses, é a aquele suposto monte que Isaías se refere ao falar sobre o espírito de grandeza do rei da Babilônia, o qual está representando todo o império babilônico. Isaías fala em termos do que os pagãos (não ele), acreditavam.

Assim, o rei da Babilônia que tinha a intenção de ser o único soberano do mundo, iria para o fundo derrotado e humilhado, a tal ponto, que até mesmo os sobreviventes subjulgados pelo outro império (os Medos), seriam dizimados e nunca mais exerceriam o poder político. Derrotado e humilhado o império babilônico é descrito por Isaías como um cadáver que apodrece na sepultura, atacado de bichos, e a sua alma é lançada no Sheol (o mesmo que inferno para nós), onde será sua nova morada. Ali, os mortos de civilizações anteriores, acompanham a chegada do, agora, colega de habitação com vaias e gritos, ou seja, da mesma forma como a Babilônia subjugou as nações, também foi subjugada perdendo o seu poderio. Então, os povos das outras nações que ela abateu, agora zombam dela que está na mesma situação daqueles que foram seus subordinados. Eles sarcasticamente chamam a Babilônia de Heylel "estrela da manhã", isto é, como o brilho da estrela da manhã é temporário, da mesma forma foi o poder do império babilônico.

A Vulgata deu margem à ideia de que Lúcifer é o nome do Diabo

A partir daqui você vai entender porque as pessoas aprenderam que a palavra Lúcifer é o nome do diabo. Quem estudou a história da Bíblia ou a historia da igreja cristã, certamente tomou conhecimento de uma tradução da Bíblia feita por Jerônimo no século IV d.C., a qual é conhecida como VULGATA. Jerônimo traduziu do hebraico para o latim, língua dominante da época dele no império romano.

Na passagem em pauta, ele não colocou a palavra hebraica “Hêlêl” na Vulgata, como fez com os nomes Gabriel, cujo significado é “homem de Deus ou Deus forte” ou Miguel, cujo significado é “o que é semelhante a Deus”. Em vez disso, ele utilizou outra palavra, “Lúcifer”. Quando a Bíblia Sagrada foi traduzida para o português, os tradutores não quiseram também preservar a forma hebraica “Heylel”, como fizeram com os nomes Miguel e Gabriel, antes, eles preferiram traduzir o significado do nome, e é por isso que nós lemos em Isaías 14;12 o título “estrela da manhã”. Os tradutores poderiam por exemplo traduzir assim: “Como caíste do céu, ò Heylel...”

Possivelmente não fizeram isso por uma questão de interpretação, isto é, por não entenderem que “Heylel” fosse o nome próprio do querubim ungido, antes de se rebelar contra Deus, como Gabriel e Miguel que são de fato nomes de anjos; isso certamente levaria as pessoas a acharem que o nome pessoal do Diabo era Heylel ou que ainda é Heylel, que em latim é Lúcifer e como a língua portuguesa herdou muitas palavras do latim Lúcifer, é uma delas que utilizamos como se fosse o nome do Diabo por causa da Vulgata. Seja como for, não falta quem entenda por essa ótica (que Heylel é o nome do Diabo), como é o caso do escritor Dr.Francisco, autor do livro Angelologia. A palavra Lúcifer, portanto, não pertence ao texto original,  logo não aparece também em nossas versões, é produto da versão de Jerônimo, como já sabemos, ela inevitavelmente passou a ser atribuída ao Diabo antes da sua rebelião contra o Criador e também depois dela, de forma que, hoje, Lúcifer é o nome do Diabo, para muitos.

Mas isso só ocorreu depois do surgimento da VULGATA. Veja no texto a baixo em latim, extraído da Vulgata de Jerônimo, onde aparece exatamente a palavra "lúcifer": "quomodo cecidisti de caelo Lucifer qui mane oriebaris corruisti in terram qui vulnerabas gentes".

Observe que a palavra "Lúcifer", em destaque pelo autor, aparece no texto em latim, conforme está na Vulgata Latina. Você terá facilidade para identificar a palavra "lúcifer" mesmo não sabendo o latim, principalmente porque é uma palavra comum para nós.

Devo dizer, porém, que há uma versão americana, em que a palavra "Lúcifer" foi preservada nesse texto conforme está na Vulgata Latina, ou seja, a palavra não foi traduzida por "estrela da manhã", como acontece nas outras versões. Observe que a palavra 'lúcifer" está lá: "How art thou fallen from heaven, O Lucifer, son of the morning! art thou cut down to the ground, which didst weaken the nations!" (KJV= Versão do Rei Tiago. Is. 14:12 – Destaque do autor). Na versão católica espanhola temos a palavra "lucero" que tem o mesmo significado de estrela da manhã.

Você pode também não saber ler em inglês, mas perceberá claramente, que a palavra Lúcifer encontra-se de fato no texto. Você deve ter percebido que cada língua possui palavras diferentes, mas com o mesmo significado, por exemplo, Jesus e Josué significam a mesma coisa (O Senhor é a salvação), porém, Jesus é uma palavra grega e Josué é uma palavra hebraica. O mesmo ocorre com as palavras Lúcifer (latim), (Heosfóros - grego) e (Heylel - hebraico). Estas três palavras, embora sejam de línguas diferentes, possuem o mesmo significado, a saber “o brilhante” ou “ O portador de luz”. Mas qual é a relação dessa palavra com Jesus, afinal? É o que vamos ver a seguir.

Lúcifer no NT

Em que lugar Jesus é chamado de Lúcifer no Novo testamento? 

Lúcifer é um nome que não aparece em nossas Bíblias protestantes, pelo menos não nas que eu pesquisei. No lugar da palavra "lucifer" temos a expressão "estrela da manhã” ou "estrela d´álva".  O AT foi escrito em hebraico, enquanto o NT foi escrito em grego. No grego do NT temos uma palavra muito parecida com a palavra (Heosfóros) de Isaías 14:12, a qual aparece na septuaginta, é a palavra φωσφόρος ou Fosforós.

A definição da palavra grega Fosfóros, leva ao mesmo significado da palavra latina Lúcifer, vejamos: = fós, que significa luz e = foros, que significa transportador. Portanto, as palavras gregas ἑωσφόρος de Isaías 14:12, e φωσφόρος de 2 Pedro 1:19 possuem o mesmo significado, você mesmo pode checar em algum dicionário grego, mas a própria tradução da vulgata já prova isso, traduizindo as mesmas palavras como "lúcifer", e pasme você ao descobrir como ela é traduzida em nossas Bíblias e a quem se refere, vejamos:

“Assim, temos ainda mais firme a palavra dos profetas, e vocês farão bem se a ela prestarem atenção, como a uma candeia que brilha em lugar escuro, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça no coração de vocês” (2 Pe 1:19- Destaque do autor).

Note que a expressão "estrela da alva", em destaque, aparece exatamente aqui como a tradução da palavra grega “Phosfóros”. "Estrela da alva" é o mesmo que "estrela da manhã", inclusive as versões NTLH e VFL, traduzem (Phosphorós em 2 Pe 1:19), exatamente por "estrela da manhã". Da mesma forma a palavra Phosforós é traduzida por “Estrela da Manhã” por David H. Stern, cristão Judeu que detém o título de mestre em Divindade em sua obra Novo Testamento Judaico, lançado pela Editora Vida. Trata-se de mais uma boa versão do Novo testamento. Não há o que se contestar aqui.

A quem Pedro se refere nesta passagem? 

É fácil de saber que Pedro está se referindo a Jesus, o qual conheceu e com o qual andou por 3 anos!

Para que você não fique com dúvidas no tocante a isso, vamos conferir o mesmo texto utilizando a VULGATA de Jerônimo:

“et habemus firmiorem propheticum sermonem cui bene facitis adtendentes quasi lucernae lucenti in caliginoso loco donec dies inlucescat et lucifer oriatur in cordibus vestris”.

Jesus está sendo chamado de Lúcifer, em latim pelo tradutor Jerônimo. Note onde está em destaque, que realmente a palavra “lúcifer” aparece no texto de 2 Pe1:19 na VULGATA. Então, conforme o texto declara claramente, Jesus realmente é chamado de Lúcifer.

Confira novamente a ocorrência da mesma palavra nas línguas hebraica, grega e latina.

No AT em Hebraico: = Heylel é traduzida por Estrela da Manhã (Is. 14:12).

No AT em grego (Septuaginta): = Eosfóros é traduzida por Estrela da manhã (Is 14:12).

No NT em Grego: Fosfóros = Estrela da Manhã ( 2Pe1:19).

Em latim, na Vulgata, Lúcifer (Estrela da Manhã) é encontrada duas vezes, a saber, em Is 14:12, referindo-se não a Jesus, mas ao anjo que antes era “o modelo da perfeição” (Ez 28:11), e em 2 Pe 1:19, referindo-se a Jesus, o Messias, a estrela procedente de Jacó, conforme a profecia.

Percebeu? A vulgata, portanto, foi quem criou esse mito de que lúcifer, seria o nome do diabo, o arqui-inimigo de Deus de do seu povo. Com certeza não era isso o que Jerônimo tinha em mente, alguém criou esse mito e ele se propagou.

Então entenda o seguinte, até época de Jerônimo ninguém chamava o diabo de Lúcifer. Jerônimo jamais teve a intenção de dar este nome ao diabo, até porque, ele jamais atribuiria o mesmo nome "lúcifer" a Jesus.

Com isso em mente, entenda que afirmar que Jesus e o diabo são a mesma pessoa, por causa do aparecimento desta mesma palavra que aparece no AT e no NT é um erro grave!! Para começar a profecia poética de Isaías 14:12 é historicamente aplicada em relação ao rei da Babilônia daquela época. Embora a passagem de Isaías 14:12 se refira a queda espiritual de Satanás ela é, antes de tudo, uma "interpretação", não quer dizer que realmente seja exatamente o que tenha ocorrido, porque ela é uma passagem isolada, não outra que corrobore com ela.

Mesmo que se considere que a passagem de Isaías se refira a queda espiritual  de satanás, como já vimos, "lúcifer" é uma palavra que surgiu de uma tradução, centenas de anos depois do livro de Isaías ter sido escrito, e não é nome próprio, logo não é o nome do diabo porque, se fosse, Jerônimo teria que ser incoerente ou louco para atribuir a mesma palavra a Jesus, a quem serviu.

O texto acima foi extraído do meu livro Doutrinas Intrigantes e  foi editado para não ficar muito extenso.


Se desejar deixe o seu comentário ou entre em contato comigo pelo e-mail: dijho.dijho@hotmail.com






sábado, 18 de maio de 2013

O AVISO DE PEDRO: O MAL DESMASCARADO POR SUA PROFECIA!



Jesus já disse que  “Cuidado com os falsos profetas. Eles vêm a vocês vestidos de peles de ovelhas, mas por dentro são lobos devoradores. Vocês os reconhecerão por seus frutos. Pode alguém colher uvas de um espinheiro ou figos de ervas daninhas? Semelhantemente, toda árvore boa dá frutos bons, mas a árvore ruim dá frutos ruins. A árvore boa não pode dar frutos ruins, nem a árvore ruim pode dar frutos bons. Toda árvore que não produz bons frutos é cortada e lançada ao fogo. Assim, pelos seus frutos vocês os reconhecerão! Nem todo aquele que me diz: “Senhor”, “Senhor”, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: 'Senhor,
Senhor, não profetizamos em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres?' Então eu lhe direi claramente: Nunca os conheci. Afastem-se de mim vocês, que praticam o mal!


O que temos nestas palavras é uma das advertências mais sérias da Bíblia Sagrada e da qual pouco se fala em nossos dias. Os  cristãos de hoje parecem estar despercebidos sobre isso, e quando falam sobre o texto acima, dão explicacões razas do tipo “isso não acontecerá em nossos dias, apenas após o arrebatamento”. Sem dúvida Jesus referia-se a acontecimentos no contexto religioso dos últimos dias, nossos dias. Penso que a leitura desta passagem deveria nos levar a uma reflexão séria sobre o que acontece com a igreja em nossos dias, principalmente na cultura pentecostal.

Pregar (ou profetizar), expulsar demônios, orar por cura (s)  divina, ou realizações de milagres e maravilhas, são coisas que devem ser feitas dentro da vontade de Deus e não centralizadas na vontade do nosso ego, que nada mais quer do que a satisfação da carne.

Voltemos às palavras de Jesus: “Então eu lhe direi claramente: Nunca os conheci. Afastem-se de mim vocês, que praticam o mal!” (Mt 7:15-23). Quando Jesus diz: “Nunca os conheci”, não está querendo dizer que não sabia que tais pessoas existiam, pois, como Deus, ele é Onisciente e não há nada que ele não saiba. Fala de relacionamento, isto é, tais pessoas não tinham nenhuma ligação espiritual com ele.

Assim como, no meio do povo, surgiram falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras, até ao ponto de renegarem o Soberano Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição.  



O apóstolo Pedro, quando escreveu a sua segunda carta, foi bastante especifico. Muita gente não lê com o devido cuidado. Gostaria de dar uma analisada mais de perto em suas palavras agora. Me acompanhe, por favor, ISSO É MUITO IMPORTANTE!!:



O texto está em 2Pe 2:1-3,10-12.


 Ele diz:

No passado surgiram falsos profetas no meio do povo, como também surgirão entre vocês falsos mestres. Estes introduzirão secretamente heresias destruidoras, chegando a negar o Soberano que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. Muitos seguirão os caminhos vergonhosos desses homens e, por causa deles, será difamado o caminho da verdade. Em sua cobiça, tais mestres os explorarão com histórias que inventaram. Há muito tempo a sua condenação paira sobre eles, e a sua destruição não tarda. (...)  especialmente os que seguem os desejos impuros da carne e desprezam a autoridade. Insolentes e arrogantes, tais homens não têm medo de difamar os seres celestiais; contudo, nem os anjos, embora sendo maiores em força e poder, fazem acusações injuriosas contra aqueles seres na presença do Senhor. Mas eles difamam o que desconhecem e são como criaturas irracionais, guiadas pelo instinto, nascidas para serem capturadas e destruídas; serão corrompidos pela sua própria corrupção! (...) pois eles, com palavras de vaidosa arrogância e provocando os desejos libertinos da carne, seduzem os que estão quase conseguindo fugir daqueles que vivem no erro. Prometendo-lhes liberdade, eles mesmos são escravos da corrupção, pois o homem é escravo daquilo que o domina.


Analisemos melhor esta passagem:

"No passado surgiram falsos profetas no meio do povo, como também surgirão entre vocês falsos mestres."

Observe que os tais mestres surgirão. Pedro refere-se há um tempo futuro em relação a sua época.

"Estes introduzirão secretamente heresias destruidoras, chegando a negar o Soberano que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição." 

Estes introduzirão secretamente heresias destruidoras.  A palavra grega traduzida por “secretamente” é “pareisaxousin”, significando a introdução secreta de algo. A idéia é a de introduzir-se, debaixo de algum tipo de cobertura. Introduzir o quê? Heresias, isto é, um falso ensino. Trata-se, portanto, de um ensino camuflado que tem a aparência de verdadeiro e correto de forma que as pessoas mais comuns e menos dadas a investigação não notam a sua sutileza. Pessoas que não estudam a Bíblia, principalmente as que se quer terminaram os seus estudos são mais fáceis de serem manipuladas.

"chegando a negar o Soberano que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição."  A coisa chega a tal ponto, que os tais chegam a “negar o Soberano”. Devemos saber que há muitas formas de se negar a Deus ou a Cristo. Pedro, por exemplo, negou que era um dos seus discípulos. A seita dos gnósticos, por outro lado, negava que ele fosse um homem carnal de verdade. O apóstolo Paulo, contudo, nos ensina que é possível negá-lo por meio das nossas obras (Tito 1:16). Alguns ensinadores Judeus (supostamente cristãos), afirmavam que conheciam a Deus mas SEUS ATOS, negavam isso. De fato, como ensinou Jesus, é pelo fruto que se conhece a árvore (Mt 7:16-20).

 " Muitos seguirão os caminhos vergonhosos desses homens e, por causa deles, será difamado o caminho da verdade."

Muitos seguirão os caminhos vergonhosos desses homens (V. 2). Aqui temos uma prova clara de que o simples fato de uma denominação ou uma organização crescer, não significa que, necessariamente, Deus esteja por trás do seu sucesso.


"Muitos seguirão os caminhos vergonhosos desses homens e, por causa deles, será difamado o caminho da verdade."

Será difamado o caminho da verdade (V 2). Significa que os atos de tais pregadores ou ensinadores difamarão o evangelho. Todos nós sabemos o quanto às pessoas estão arredias e como criticam os crentes, a igreja e os verdadeiros pastores por causa de alguns “falsos pastores” e pelo que ensinam. Como está difícil levar alguém a Cristo hoje. E o motivo que eles deram para que o caminho da verdade fosse difamado, foi a avareza, como veremos a seguir.

"Em sua cobiça, tais mestres os explorarão com histórias que inventaram. Há muito tempo a sua condenação paira sobre eles, e a sua destruição não tarda"

"Em sua cobiça" ou "Movidos pela avareza" (ARA), ou  "ambição pelo dinheiro" (BLH), "tais mestres os explorarão". Ou seja os crentes, para os tais lideres, não passam de números ou cifras. São como peças da máquina de fazer dinheiro. Eles não estão preocupados em pregar o genuíno evangelho para salvar almas, nem tão pouco, estão preocupados com a situação espiritual da igreja, mas querem apenas em extorquir cada vez mais dinheiro dos que cedem aos seus argumentos falsos. São motivados pela ambição pelo dinheiro.

Os explorarão com histórias a BLH acrescenta: inventadas. Certa vez eu ouvi um Reitor me contar que foi a uma denominação e lá viu uma mulher que estava em uma cadeira de rodas. O pastor a chamou a frente orou por ela e o demônio se manifestou. Após expulsá-lo, ela ficou curada passando a andar. Até ai tudo bem, mas ele a encontrou no ponto de ônibus e se pôs a conversar com ela, mas qual não foi a sua surpresa, quando perguntou: “Como é bom receber a cura de Deus, não é irmã?” Ela, surpreendentemente, lhe respondeu: “Que nada! Eu embolsei foi 300,00 (trezentos reais), para fingir tudo aquilo que você viu.” O pastor daquela igreja conta aquela história como se fosse verídica. Imagine quantas pessoas não ficam decepcionadas e desiludidas com o evangelho, por causa destas coisas?  Uma simples busca no site do youtube nos permite ver vários exemplos reais disso. Só não enxerga quem não quer enxergar.

Insolentes e arrogantes, tais homens não têm medo de difamar os seres celestiais; contudo, nem os anjos, embora sendo maiores em força e poder, fazem acusações injuriosas contra aqueles seres na presença do Senhor. Mas eles difamam o que desconhecem e são como criaturas irracionais, guiadas pelo instinto, nascidas para serem capturadas e destruídas; serão corrompidos pela sua própria corrupção! 


É interessante observarmos ainda o seguinte: Insolentes e arrogantes, tais homens não têm medo de difamar os seres celestiais (NVI, BLH, VFL (v.10). Quando analisamos este versículo a luz do contexto literário, expressão, “seres celestiais”, de fato, perece se referir a espíritos maus.

O Dr. Simon, professor emérito do NT na Flórida, afirma que a palavra grega traduzida aqui, conforme vimos acima, refere-se a anjos, e que a luz do contexto do versículo 11, entende-se “que não são anjos bons, mas anjos perversos” (Comentário do Novo Testamento. Epístola de Pedro e Judas- v. bibliografia). Também o Dr. Stepehem, presidente e professor de grego nos EUA, diz: “Pedro adverte contra palavras precipitadas e autoconfiantes, mesmo quando relacionadas com os poderes do mal (Comentário Moody V. 5- ).

Se ele o apóstolo Pedro, o escritor, estivesse se referindo aos anjos de Deus, não diria: “Nem os anjos sendo maiores em força e poder, fazem acusações injuriosas contra aqueles seres.” Veja que ele usa a expressão "anjos", para se referir aos anjos de Deus e a expressão "aqueles seres" para s referir as entidades malignas.

Agora veja esta mesma passagem na Bíblia Viva: “ Mas os falsos mestres são insensatos não são melhores do que os animais. Eles fazem tudo o que lhes dá vontade; nascidos somente para serem apanhados e mortos riem-se dos espantosos Poderes do inferno, acerca do qual conhecem tão pouco; e serão destruídos juntamente com todos os demônios e poderes do inferno

O texto em si, não diz quais tipos de acusações são lançadas sobre tais espíritos, mas se de fato tais palavras obtiverem o caráter profético (surgirão, V.1), pode ser que se refira mesmo a atuação dos falsos profetas de nossos dias. Na verdade deve-se ter cuidado ao lidar com espíritos maus, pois o próprio Judas, irmão de Jesus, nos fala de homens que também “negam Jesus Cristo, nosso único Soberano e Senhor”, os quais “difamam os seres celestiais.” “Contudo nem mesmo o arcanjo Miguel, quando estava disputando com o Diabo acerca do corpo de Moisés, ousou fazer acusação injuriosa contra
ele, mas disse: o Senhor te repreenda
” (Jd v.9).  Judas também diz que tais pessoas “difamam os seres celestiais” (V. 8). A forma como ele descreve a atitude do arcanjo Miguel em relação ao Diabo ao repreendê-lo, nos leva a eentender que no versículo oito, ele de fato refere-se a espíritos maus.

Devemos reconhecer que em nossos dias, há muitos homens que se dizem portadores de grande autoridade sobre os espíritos maus, e os que culpam os demônios por todos os acontecimentos ruins da vida de uma pessoa. Autora do livro Desmascarado, Rita Cabezas, por exemplo, afirma que manifestações de “medo”, “pânico”, hábito de “mentir” ou de “roubar”, bem como as manifestações de dupla ou múltipla personalidade, entre outras coisas, são atuações de espíritos maus na vida da pessoa em que tais coisas aparecem.

Parece até que as pessoas não passam de marionetes, cujas atitudes são controladas pelo mundo espiritual, como se uma pessoa nunca agisse por vontade própria. Se fosse verdade, apenas os demônios e o Diabo deveriam ser julgados e condenados, por usarem, constantemente as pessoas. Elas não deveriam ser responsáveis pelos seus atos.


"pois eles, com palavras de vaidosa arrogância e provocando os desejos libertinos da carne, seduzem os que estão quase conseguindo fugir daqueles que vivem no erro. Prometendo-lhes liberdade, eles mesmos são escravos da corrupção, pois o homem é escravo daquilo que o domina.

Com suas histórias e suas palavras vaidosas, eles, provocando os desejos libertinos da carne ( v.18), seduzem as pessoas prometendo-lhes liberdade, sendo que eles mesmos são escravos da corrupção. Bem, frases do tipo: “Se Deus não fizer isso com você, eu deixo de pregar a sua palavra”, é muito comum hoje em dia. Quanto a serem escravos da corrupção, isso a própria vida desles testemunham. 


O fato é que o Diabo age em vários sistemas no mundo e nos tenta em vários estágios. A Bíblia declara que as suas intenções são más e que o seu principal alvo é o ser humano, mas não devemos, contudo atribuir tudo o que ocorre conosco ao Diabo. Por causa disso há quem enxergue mais o Diabo que Deus, fale mais do Diabo que de Deus. Conforme os ensinos do Dr. Mark: “Devemos ter o cuidado de não desenvolver uma mentalidade espiritual que vê um demônio por trás de cada moita.” 2 A velha natureza do homem e sua inclinação para o mal, aliado ao sistema do mundo, o qual oferece tudo o que a nossa carne quer para sua satisfação, e ainda a operação das forças espirituais do mundo, a carne e o Diabo”, mas não apenas o Diabo, nos induz ao erro.

VOCÊ QUER AJUDAR UM MINISTÉRIO SÉRIO E COMPROMETIDO REALMENTE COM OS CRISTÃOS? VOCÊ PRECISA CONHECER ESSE MINISTÉRIO: http://www.portasabertas.org.br/

Eu mesmo sou um contribuinte e convido você também. Tirar 10,00 ou 20,00 do seu orçamento mensal para contribuir com a Portas Abertas, não vai te deixar mais pobre. Sejamos honestos, as vezes gastamos muito mais que isso com coisas fúteis! Não entendo como uma pessoa pode se declarar cristã, e nunca se lembra de estender as mãos para os que realmente necessitam, mas não poupam um centavo para gastar em suas diversões. Enquantro se divertem, pessoas morrem. As vezes morrem de fome, outras vezes são vítimas das implacáveis perseguições. Ajude-as! Ajude! Eles realmente precisam. Assine a revista da missão portas abertas.

E quando o Filho do homem vier em sua glória, e todos os santos anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória;

E todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas;

E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda.

Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;

Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me;

Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me.

Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber?

E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos?

E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te?

E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.
Mateus 25:31-40

PRESTA ATENÇÃO, POR FAVOR: Mateus 25: 31-40

31 "Quando o Filho do homem vier em sua glória, com todos os anjos, ele se assentará em seu trono na glória celestial.
32 Todas as nações serão reunidas diante dele, e ele separará umas das outras como o pastor separa as ovelhas dos bodes.
33 E colocará as ovelhas à sua direita e os bodes à sua esquerda.
34 "Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: 'Venham, benditos de meu Pai! Recebam como herança o Reino que foi preparado para vocês desde a criação do mundo.
35 Pois eu tive fome, e vocês me deram de comer; tive sede, e vocês me deram de beber; fui estrangeiro, e vocês me acolheram;
36 necessitei de roupas, e vocês me vestiram; estive enfermo, e vocês cuidaram de mim; estive preso, e vocês me visitaram'.
37 "Então os justos lhe responderão: 'Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber?
38 Quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos, ou necessitado de roupas e te vestimos?
39 Quando te vimos enfermo ou preso e fomos te visitar?'
40 "O Rei responderá: 'Digo a verdade: O que vocês fizeram a algum dos meus menores irmãos, a mim o fizeram'.













terça-feira, 23 de abril de 2013

Você não expulsou Deus, expulsou?

Primeiramente este texto não serve para quem tem preguiça de analisar todos os parágrafos, gastando alguns minutos do seu tempo. Por favor, antes de ler este texto você precisa ser capaz de se perguntar, quantas vezes já foi capaz de rever os seus conceitos e abrir mão das suas antigas crenças, para reconsiderar. Sabe porque é importante pensar sobre isso? Porque, caso isso não tenha ainda ocorrido,  você precisa se dar conta de que além de ser inteligente, estudioso (a), aplicado (a), precisa ser sobretudo, HUMILDE. Isso é muito importante! 

Só as pessoas humildes são capazes de concluir “é eu estou errado mesmo quanto a isso e preciso encarar esta realidade”. Mas se você é do tipo que só gosta de discutir, expor os seus conceitos, ter a última palavra em tudo, dispenso a sua atenção. Esse texto não é para você; aliás o meu conselho é que, se você for mesmo um genuíno cristão, tenha a coragem de convidar o Espírito Santo para uma conversa séria e honesta a respeito da ausência desta importante virtude em sua alma. Será um grande passo para o seu crescimento espiritual e moral. Não escrevi este texto para digladiar com ninguém. Não é uma resposta a alguém ou alguma indireta ou desabafo. 

Em geral eu sou dono das minhas palavras, mas é claro que não sou o dono da verdade, pelo contrário a verdade (Jesus) é dona de mim, bem como de todos aqueles que acolheram de fato o Doador da Vida, o Espírito Santo. Contudo, eu gostaria muito de começar usando as palavras de D. James Kennedy “Vivemos na era em que um único preconceito é permitido – a intolerância ao cristianismo. Michael Novak, um colunista de destaque, certa vez disse que atualmente não se pode expor nem ridicularizar grupos como os afro-americanos, os índios americanos, as mulheres, os homossexuais, os poloneses e assim por diante. Hoje, o único grupo do qual se pode zombar publicamente são os cristãos. Ataques à igreja e ao cristianismo são comuns. Como Pat Buchanan disse uma vez. ‘malhar o cristianismo é um esporte popular”. 

Não devemos aqui confundir o cristianismo genuíno do cristianismo nominal. Muita gente que chamou a si mesma de cristã, leva uma vida totalmente oposta aos princípios e ensinamentos de Jesus de Nazaré. Hoje em dia muitos querem pregar o cristianismo “paz e amor”, como se Deus não tivesse critérios morais ou como se esses critérios estivessem sobremodo ultrapassados, ou até querem parecer mais interessados nas pessoas que o próprio Criador, como se o seu amor estivesse acima do próprio amor de Deus. Só precisamos amar, nada mais amor pra lá amor pra cá, e isso é tudo. Se a nossa relação com o nosso próximo não se baseia no amor, essa relação não vem de Deus. Eu sinto desapontar os que assim pensam, mas isso é um equívoco! Um equívoco? Mas Paulo não disse que o amor tudo suporta, tudo crê, tudo...Sim! Mas foi ele mesmo quem disse que nem todo tipo de pessoas seriam salvas. Ele explicava exatamente os padrões de Deus, para a relação do homem com ele. 

Preste atenção nas palavras de Jesus: “Vocês pensam que eu vim trazer paz ao mundo? Pois eu afirmo a vocês que não vim trazer paz, mas divisão. Porque daqui em diante uma família de cinco pessoas ficará dividida: três contra duas e duas contra três. Os pais vão ficar contra os filhos, e os filhos, contra os pais. As mães vão ficar contra as filhas, e as filhas, contra as mães. As sogras vão ficar contra as noras, e as noras, contra as sogras”.

Viu? É claro que o mesmo Paulo que explicou um pouco das facetas do amor para os cristãos também disse que, no que depender de nós devemos estar sempre em paz com todos, contudo, é impossível viver em um mundinho de constante paz e amor a não ser que abramos mão dos critérios estabelecidos por Deus. 

É claro que existem respeitados estudiosos com rara capacidade de articular a respeito da fé cristã de forma tão magistral, que nos curvamos a força das suas argumentações. Mas tenhamos cuidado! Nós também temos cérebro. Aliás, mas que isso, nós também somos cristãos, logo nós também temos a presença do Espírito Santo em nossas vidas, e se de fato foi o Espírito santo quem inspirou tal orador ou escritor, esse mesmo Espírito confirmará isso em nossa alma, na alma dos humildes e sinceros. Você sabia que a primeira pessoa a interpretar  a Palavra de Deus foi exatamente Satanás, no Édem? É um poderoso teólogo,  capaz de usar a própria Bíblia, contra o próprio autor. Lembra-se dele no deserto usando as próprias palavras do divino autor contra ele ( Jesus o autor) mesmo? “Está escrito” ele fazia questão de citar. 

As pessoas inteligentes reconhecem a verdade quando se deparam com ela, mas só as humildes são capazes de aceitá-la. A palavra de nenhum “ungido” pode pretender se colocar acima da palavra de Deus. Por mais que uma pessoa tenha excelente formação acadêmica, lembremo-nos de que se o seu raciocínio, é oriundo de Deus ele não vai contra o conhecimento de Deus. “pois as armas da nossa milícia não são carnais, mas poderosas em Deus, para demolição de fortalezas; derribando raciocínios e todo baluarte que se ergue contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência a Cristo;” (2 Co 10: 4,5 Vre. Destaque meu).

Quero a partir daqui trazer o assunto para a questão da sexualidade. Se houver amor, tudo é permitido? Não! Mas é assim que muitas pessoas pensam erroneamente. Para elas é como se a humanidade finalmente tivesse despertado para a luz brilhante e empolgante da liberdade sexual, despertado da escravidão dos tabus sexuais. É algo tão novo quanto a ciência moderna, tão original e vibrante quanto os ônibus espaciais. É fruto da era moderna. Tem adeptos de certos movimentos que agem como se tivessem inventado a roda. Como se tivessem descoberto a cura do câncer. “Finalmente achamos a verdade!”- dizem. Será? Essa “modernidade” sexual toda não impressiona todo mundo, sabia?  Me permita citar o texto de um dos inconformados aqui:

“A anarquia sexual assumiu formas extremas e espalhou-se por grande parte da população. Lado a lado com o aumento da perversão sexual, uma vergonhosa promiscuidade sexual também aumentou muito. A sedução de membros da mesma família, como relações entre pai e filha (...) filho e mãe (...) já não são desconhecidas. Os autores (contemporâneos) enfatizam de forma especial casos como o relacionamento sexual de um homem com duas irmãs ou com mãe e filha (o adultério, o estrupo e a prostituição aumentaram significativamente) (...) o amor homossexual passou a fazer parte do costume das pessoas. Os autores contemporâneos parecem deleitar-se sadicamente ao enumerar uma infinidade de torpezas e perversões sexuais. Descrevem todas as aberrações do erotismo mórbido, com a despudorada serenidade do descaso: estupro, relações sexuais anormais, tortura e sodomia.” Esse parece, a primeira vista, ser um texto ultrapassado pelos tempos modernos, não é mesmo? Mas o texto supracitado, caro (a) leitor (a) foi redigido  a 4.500 anos. (Veja: Pitirim A. Sorokin, The american sex revolution, Boston; Porter Sargent Publisher, 1956, p. 93.).

Sabe o que esse texto nos diz? Nos diz que não há nada de moderno no que diz respeito a sexualidade dos nossos dias. Toda essa libertinagem hodierna, sempre existiu. A prática da homossexualidade, sempre existiu! Da mesma forma os padrões de Deus não estão ultrapassados! Deus não está morto! 

Não se pode em nome do cristianismo “paz e amor” querer flertar com o pecado da homossexualidade, por exemplo, como se os critério de Deus pudessem ter data de vencimento! Como se aquele que nos criou não tivesse o direito de nos governar! Como se o seu “não” ao pratica da homossexualidade, não pudesse ser mais aceito em nossos dias modernos. Moderno em que? No fato de a sociedade se achar no direito de fazer vista grossa a condenação da pratica da homossexualidade, e “em nome do amor” dizer que um homem pode transar com outro homem, e que uma mulher pode transar com outra mulher, porque Deus não está nem ai?   

Desculpe, a franqueza, mas os padrões morais de Deus continuam os mesmos. Filho não pode ter relação sexual com pai e nem com mãe. O ser humano não pode ter relação sexual com animais. Se dissermos que estas coisas estão ultrapassadas diremos em outras palavras que o sexo sagrado dentro do casamento, foi extinto, e o planeta terra tornou-se uma grande boate onde a orgia pode rolar solta, e Deus não está nem ai. É  preciso ter expulsado Deus de dentro do coração para chegar a essa conclusão triste, imoral e mortal.

domingo, 21 de abril de 2013

O outro nome de Jesus



Pode ser que voce ainda não tenha notado, caso tenha lido o livro do Apocalipse, a questão do nome de Jesus.

A partir do capítulo 4, João é arrebatado em espírito até o céu, para a sala do trono de Deus. Entre as revelações que João recebia, havia períodos de louvores, uns dirigidos a Deus e outros a Cristo.
Em Apocalipse 5:9-15, um louvor é entoado ao Cordeiro, por ter sido ele o único digno de abrir o livro, e romper dele os sete sêlos.

Em Apocalipse 11: 15-18, após a abertura do sétimo sêlo, há também outro período de adoração.
Em Apocalipse 12: 10-12, outro período de adoração.
Em Apocalipse 15: 3,4 um cântico é entoado exclusivamente pelos remidos, desta vez não participam os anjos, os 4 seres viventes e nem os 24 anciãos. É o cãntico de Moisés, e do Cordeiro.
Em Apocalipse 16: 5-7, o anjo das águas exalta a Deus.
Em apocalipse 19: 1,5-8, temos outro período de adoração.

Qual é a relação destes acontecimentos como o nome de Jesus?
Note que, nestes períodos de louvor, há aqueles em que o Senhor Jesus é citado, mas observe que o seu nome não é pronunciado. Por quê?

O livro do Apocalipse esclarece que no Reino de Deus haverá mudanças até mesmo no nome daqueles que dele fizer parte (Ap 2:17; 14:1; 19: 13,22:4). Veja que em Ap 14:1, o texto diz que os 144.000
terão escrito na sua fronte o nome dele e de seu Pai. Sabemos que em nossos dias, ninguém sabe como é de fato o verdadeiro nome do Deus-Pai, que no texto hebraico (AT), aparece como YHWH
(tetragrama). Perdeu-se a pronúncia verdadeira durante o exílio dos judeus no AT. Jeová, é um nome criado, por alguns intérpretes, após os massoretas adicionarem os sinais que equivalem as vogais do nosso
idioma na escrita hebraica quadrada. Portanto, aquele outro nome será algo novo para os 144.000, da mesma forma como será também o do Cordeiro. Você nota como João não pronuncia o nome " Jesus", sendo que ele mesmo foi um dos discípulos mais próximos dele?

Note que em todos os períodos de adoração em que o Senhor Jesus é mencionado ele é chamado de "Cordeiro", ou de "Cristo". Nenhuma das duas palavras é nome próprio. A palavra "Cordeiro" é
um substantivo comum. A palavra "Cristo" é grega e significa "ungido", da mesma forma como a palavra "messias" é hebraica e também significa "ungido". Ambas são, portanto, consideradas como
títulos atribuídos a Jesus.

No capítulo 19 Jesus é chamado de "Fiel e Verdadeiro", e também de " "O Verbo de Deus", além do que está escrito em seu manto e em sua coxa, a saber, o título de REI DOS REIS E SENHOR
DOS SENHORES. São todos eles títulos.

A conclusão do lemos é de que no Apocalipse parece haver uma importante verdade implícita, com relação ao nome de Cristo. Tudo indica que no reino de Deus, ninguém chamará a segunda pessoa da divindade (Jesus), pelo nome de "Jesus". Provavelmente ele permita o uso do seu nome, que foi adquirido aqui na terra, ordenado pelo anjo Gabriel a Maria (Lc 1:31), enquanto estivermos retidos neste mundo. Além disso, devemos levar em consideração o fato de que no capítulo 19, Jesus surge para exercer Justiça, o que significa que, certamente não haverá misericórdia para os que quiserem fazer uso do
seu nome terreno, pois, foi-se a oportunidade de alcançarem o perdão e a misericórdia pelo nome de Jesus. 

Naquela ocasião, ele já possuirá um outro nome. Uma pessoa não pode possuir dois nomes ao mesmo
tempo, títulos sim, ou apelidos. Logo, é presumível que talvez o seu nome terreno tenha sido substituído em seu Reino, por isso, mesmo que alguém tente lhe pedir misericórdia em nome de "Jesus", nada
adiantará. Naquela ocasião ele não será mais a "salvação", pois este é o significado do nome "Jesus" (Mt 1: 21). Ele será Justiça!

Mas eu também sou levado a crêr que a mudança do nome de Jesus se deve ao fato de ser ele usado de forma abusiva neste mundo. Sabemos que os verdadeiros cristãos honram este nome e o respeitam,
mas existem também aqueles que não dão a mesma importância; pensam que o nome de Jesus é uma espécie de palavra mágica que serve apenas para expulsar demônios, realizar curas, operar maravilhas, entre outras coisas, e fazem isso com objetivos duvidosos.

O nome de Jesus é usado em muitos lugares, mas isso não significa que ele esteja aprovando os que fazem uso do seu nome. Por estar nos lábios de pessoas insolentes, de embusteiros, de aproveitadores, de
falsos religiosos, de aproveitadores da fé alheia, de falsos religiosos, de avarentos e falsos cristãos é que certamente Ele obterá outro nome.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Contestando a exegese do livro A Bíblia sem preconceitos







A Bíblia sem preconceitos é um pequeno livro com 60 páginas escrito por Marcos Gladstone, fundador da Igreja Cristã Contemporânea em 10/09/2006. Ele é casado com Fábio Inácio e, segundo consta no seu livro, eles foram os dois primeiros pastores evangélicos a realizarem uma cerimônia de casamento homo afetivo da América Latina. No livro, ele afirma ser membro do Conselho Federal de Teólogos do Brasil. É Pós- graduado em Teologia pelo Centro Universitário Metodista Bennet do RJ. Ele se esmerilha no intuito de mostrar que a Bíblia não condena e nem proíbe a homossexualidade.

Assim como o autor do livro a Bíblia sem preconceitos tentou mostrar os erros da interpretação bíblica contra a homossexualidade, eu procurarei mostrar os pontos obscuros ou incoerentes dos seus argumentos apresentados em seu livro. Ele se posiciona contra a tradicional exegese apresentada pela qual a homossexualidade não é aceita no círculo cristão. Verificarei então se sua análise do texto bíblico, procede ou não de acordo com a verdade do texto. No final do tema sobre Davi e Jônatas, coloquei algumas considerações sobre as palavras de Fábio que, segundo o livro, é casado com Marcos

Estou colocando em xeque a exegese proposta por Glastone em seu livro "A Bíblia sem preconceitos" (BSP), e a sua maneira de entender os textos que não aprovam a prática homossexual, como constam na Bíblia Sagrada. Esse é o foco aqui! 

Embora a palavra "homossexual" não existisse nos tempos em que a Bíblia foi escrita, isso não anula o cerne da questão, uma vez que tinham outras palavras equivalentes. 


Afinal, a Bíblia condena ou não a prática do homossexualismo? Onde isso está escrito? 
Não há preconceito na Bíblia Sagrada, as Bíblias usadas pelos cristãos, não são preconceituosas. O que Marcos está querendo dizer é que a interpretação que fazemos da Bíblia na questão da prática da homossexualidade é preconceituosa. Mas ele está muito equivocado sobre isso.

A Bíblia é taxativa e clara, tanto no AT como no NT:

Não te deitarás com um homem como se fosse uma mulher. Isto é abominação... Se um homem se deitar com outro homem, como se fosse mulher, ambos praticaram coisa abominável. Devem ser mortos. Seu sangue cairá sobre eles” (Lev. 18:22, 20:13).  
Mesmo antes da da lei ser colocada em palavras escritas a maioria dos estudiosos acreditam que entre as práticas abomináveis que culminaram na destruição de Sodoma e Gomorra (cidades circunvizinhas) foi a prática do homossexualismo (Gen. 19).

“Por isso, Deus entregou tais homens à imundície, pelas concupiscências de seu próprio coração, para desonrarem seus corpos entre si; pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e adoraram e serviram a criatura mais do que o Criador, o qual é bendito eternamente. Amém. Por essa razão Deus os entregou a paixões infames. Pois até mesmo as mulheres mudaram o modo natural pelo que é contra a natureza. Do mesmo modo os homens, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, homens com homens cometendo o que é torpe, e recebendo em si mesmos a penalidade devida pelo seu erro. E por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes... os quais, sabendo do justo juízo de Deus, de que aqueles que praticam tais coisas são passíveis de morte, não somente as fazem, mas também aprovam os que as praticam” (Rom. 1:24-28,32).  

“Não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis. Nem fornicadores, nem idólatras, nem adúlteros, nem homossexuais , nem somoditas , nem ladrões, avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus” (1 Cor. 6:9-10).

Claro que Gladstone e muitos outros como a conhecida missionária Lanna Holder, conhecem de có tais textos. Então o que há de errado? Por que eles não respeitam o que está escrito e, pelo menos se esforçam para permanecerem nesse estilo de vida cristã? Se perguntarmos para eles, claro que apresentarão as suas razões. Se elas se justificam ou não é outra questão. Bem, pelo menos o livro "A Bíblia sem preconceitos" (BSP), tem a intenção de justificar as razões. 

Eu li o livro, e claro, até então não achei viável concordar com a proposta do autor e também apresento, mesmo que de forma singela mas transparente as minhas razões. Infelizmente não tenho tido o tempo que queria para me deter totalmente sobre o assunto, mas sempre que posso acrescento minhas considerações.

Davi e Jônatas, grande exemplo de amizade
O escritor do livro “A Bíblia sem preconceitos” tenta fazer de Davi e Jônatas homossexuais, tomando como base o texto de 2 Samuel 1:26, que diz  Angustiado estou por ti, meu irmão Jônatas; tu eras amabilíssimo para comigo! Excepcional era o teu amor, ultrapassando o amor de mulheres.” (ARA).

Nem Davi e nem Jônatas eram homossexuais e não devem ser vistos como homossexuais por causa desse versículo, pretensiosamente e equivocadamente citado pelo escritor. Davi foi homem de Deus (Atos 13:22). Por favor leia o capítulo 17 do livro de 1 Samuel, no Antigo testamento, depois veja se existe algum traço de homossexualidade em Davi. Mas vamos ver o que o livro diz a este respeito.


Fiquei pasmo ao ler as palavras do escritor do livro A Bíblia sem preconceitos dizendo “Além disso, o relacionamento íntimo entre dois homens expressava em algumas daquelas sociedades, um elevado grau de nobreza e honradez”. (Páginas 15 e 16). Ser homossexual, nos dizeres do escritor, era ser chique. E segue tentando convencer aos seus leitores de que o “amor” do qual Davi fala que sente por Jônatas, não é um simples amor fraterno, acentuando forte laço de amizade.

Peço um pouco de paciência para que você  leia com atenção o que eu escrevi a seguir para examinar com cuidado as citações e as comparações textuais.

Analisando o texto de 2 Samuel 1:26.
Angustiado estou por ti, meu irmão Jônatas; tu eras amabilíssimo para comigo! Excepcional era o teu amor, ultrapassando o amor de mulheres.” (ARA).
Antes de analisarmos o texto em questão, é bom entendermos o significado da palavra "amor" no texto hebraico e suas 3 formas (Eros, Philos e Ágape) como constam no grego da versão Septuaginta.

Amor em hebraico
A palavra “amar”, “gostar”, “apaixonar-se” ou “ser amável” em hebraco é אַהֲבַ (‘ãheb) que, segundo o Pequeno Dicionário de Línguas Bíblicas, P. 50, ocorre 205 vezes. É desta palavra que deriva a que está no texto de 2 Samuel 1:26 (ahãbã = amor) e nos textos a seguir citados como exemplos, em que ela também ocorre.

אַהֲבַת (ahãbã = amor) é a palavra hebraica traduzida por amor no texto de 2. Samuel 1:26. É um substantivo feminino. É uma palavra que descreve o amor do marido pela esposa (Gn. 29:20), o amor de Deus por seu povo (Dt 7:8; 2Cr. 2:11 etc) e também foi usado para descrever o amor de Jônatas por Davi (1 Sm 18:3; 20:17; 2 Samuel 1:26).

Como a palavra אַהֲבַת (ahãbã = amor) é usada para descrever o amor de Deus por seu povo, isso significa que é um tipo de amor diferente do que um homem sente por uma mulher. Significa também que o seu uso no texto de 2 Samuel 1:26, não deve ser referir a amor homossexual e para tirarmos as dúvidas irei mostrar os textos citados nas versões hebraica e grega e em português para que você possa constatar por si próprio que o argumento de Gladstone não se sustenta, comparando um texto com o outro.
Se não tivesse possibilidade de variantes, não poderia ter outra conotação a não ser sexual, logo, não poderia ser usado em relação a Deus e seu povo. 

Analisando outros textos onde a palavra hebraica אַהֲבַת (ahãbã = amor) ocorre, veremos porque não nos é permitido compactuar com tal afirmação, mas antes vejamos na Septuaginta como se escreve amor em grego. Depois você entenderá porque o escritor de A Bíblia sem preconceitos errou e de forma intencional.

Amor em grego -  Septuaginta.
A Septuaginta é uma versão muito antiga, na verdade a primeira versão da Bíblia de que se tem conhecimento, elaborada em cerca de 250 A.C. por mestres hebreus na antiga Alexandria egípcia e que foi usada por Jesus, os apóstolos e pelos primeiros mestres da igreja. Ela existe ainda em nossos dias, e por ela temos a possibilidade de compararmos as passagens citadas acima destacadas em vermelho e constatarmos que nem sempre a palavra hebraica se refere apenas a amor entre homem e mulher, mas ao amor de Deus pelo seu povo ou ao amor fraterno, pela variação do verbo amar no grego. Se não existisse essa diferenciação em uma fonte tão antiga e confiável, provavelmente ficaria mais fácil de negar o amor fraterno de Davi por Jônatas, e foi exatamente isso o que o escritor de A Bíblia sem preconceitos tentou fazer.

Mas e daí? O que essa versão tem a ver com os ensinos errados do livro em questão? Tem tudo a ver. A Septuaginta desmascara a falsa ideia de que o amor que Davi sente por Jônatas é amor de homossexuais. Como você verá a seguir, eu compararei os textos no Hebraico e no grego, afim de que você possa entender que o amor que Davi sente por Jônatas, não é de natureza sexual, como se eles fossem mesmo homossexuais. Por favor leia até o final e depois tire as suas próprias conclusões.


Exemplo 1. 
mas porque o Senhor vos amava e, para guardar o juramento que fizera a vossos pais, o Senhor vos tirou com mão poderosa e vos resgatou da casa da servidão, do poder de Faraó, rei do Egito” (Dt. 7:8).

Veja este texto em hebraico (deve ser lido da direita para a esquerda de forma que o término no versículo é marcado pelos dois pontinhos (:) (Dt. 7:8)
כִּי מֵאַהֲבַת יְהוָה אֶתְכֶם וּמִשָּׁמְרוֹ אֶת־הַשְּׁבֻעָה אֲשֶׁר נִשְׁבַּע לַאֲבֹתֵיכֶם הוֹצִיא יְהוָה אֶתְכֶם בְּיָד חֲזָקָה וַיִּפְדְּךָ מִבֵּית עֲבָדִים מִיַּד פַּרְעֹה מֶלֶךְ־מִצְרָיִם׃
As palavras destacadas em cores vermelhas é de onde se traduziu a expressão O Senhor vos amava na Bíblia em português, isto é, são as mesmas palavras do texto de 2 Samuel 1:26

Veja o mesmo texto no grego da Septuaginta:
ἀλλὰ παρὰ τὸ ἀγαπα̂ν κύριον ὑμα̂ς καὶ διατηρω̂ν τὸν ὅρκον, ὃν ὤμοσεν τοι̂ς πατράσιν ὑμω̂ν, ἐξήγαγεν κύριος ὑμα̂ς ἐν χειρὶ κραταιᾳ̂ καὶ ἐν βραχίονι ὑψηλῳ̂ καὶ ἐλυτρώσατο ἐξ οἴκου δ 

A palavra destacada em vermelho ("ágapao", o mesmo que "ágape" em grego) é de onde se traduz em português O senhor vos amava, em português. 


Exemplo 2: “Hirão, rei de Tiro, respondeu por uma carta que enviou a Salomão, dizendo: Porquanto o Senhor ama ao seu povo, te constituiu rei sobre ele.” (2 Cr. 2:11).

Veja o texto em hebraico:
וַיֹּאמֶר חוּרָם מֶלֶךְ־צֹר בִּכְתָב וַיִּשְׁלַח אֶל־שְׁלֹמֹה בְּאַהֲבַת יְהוָה אֶת־עַמּוֹ נְתָנְךָ עֲלֵיהֶם מֶלֶךְ׃ 



Veja este mesmo texto na Septuaginta:
καὶ εἰ̂πεν Χιραμ βασιλεὺς Τύρου ἐν γραφῃ̂ καὶ ἀπέστειλεν πρὸς Σαλωμων Ἐν τῳ̂ ἀγαπη̂σαι κύριον τὸν λαὸν αὐτου̂ ἔδωκέν σε (Cr. 2:11).

O texto em questão (2 Samuel 1:26):
Angustiado estou por ti, meu irmão Jônatas; tu eras amabilíssimo para comigo! Excepcional era o teu amor, ultrapassando o amor de mulheres.” (ARA- Almeida revista e atualizada).

Veja o mesmo texto em hebraico:

צַר־לִי עָלֶיךָ אָחִי יְהוֹנָתָן נָעַמְתָּ לִּי מְאֹד נִפְלְאַתָה אַהֲבָתְךָ לִי מֵאַהֲבַת נָשִׁים׃

Note que a palavra hebraica אַהֲבַת (ahãbã = amor) aparece destacada e ela foi traduzida por “amor” e nas duas vezes tem o mesmo sentido como se referindo a um tipo de amor que ultrapassa o amor fraterno. Contudo, como nos outros textos citados como exemplo, ela não se refere a amor com conotação sexual, não podemos chegar a essa conclusão. 

Além disso, basta compararmos com a Septuaginta e veremos que se trata mesmo de amor fraterno, vejamos:
ἀλγω̂ ἐπὶ σοί, ἄδελφέ μου Ιωναθαν, ὡραιώθης μοι σφόδρα, ἐθαυμαστώθη ἡ ἀγάπησίς σου ἐμοὶ ὑπὲ ρ ἀγάπησιν γυναικω̂ν.

Veja que assim como ocorre nos exemplos 1 e 2, no texto de 2 Samuel 1:26 os termos אַהֲבַת (ahãbã = amor), ἀγάπησιν possuem os mesmos significados, amor e sem conotação sexual, nos exemplos mostrados. 

O que os exemplos acima nos mostram? Que Gladstone está errado ao negar que o amor de Jônatas por Davi não é apenas amor fraterno, mas o mesmo tipo de amor que um homem expressa por uma mulher.

De que forma esse erro é demonstrado? Basta analisarmos os textos comparados acima nos quais as expressões “O Senhor vos amava” aparecem e observamos que a mesma palavra hebraica utilizada naqueles textos é a que aparece em 2 Samuel 1:26. 



No texto hebraico a palavra é a mesma, o que significa que não se trata de amor entre homem e mulher, pois se assim fosse, não seria associado com o amor de Deus pelo seu povo Israel. 



O escritor, se precipita no afã de querer convencer os leitores do seu livro e diz o seguinte “É importante refutar a doutrina religiosa homofóbica que insiste em falar que o amor de Jônatas e Davi era um amor “fileo”, porque somente no idioma grego há a distinção das três formas de significação da palavra amor e não no hebraico, já que este último foi exatamente o idioma em que foi narrada a história” “Assim, no grego, há o amor fileo –amizade; o amor “eros” –amor sexual e o amor “ágape” – a expressão máxima do amor como doação completa que se refere ao amor de Deus pela humanidade”
Quando ele usa a expressão “idioma grego” ele está se referindo ao idioma da Septuaginta, da qual falamos acima. Ele, não cita o nome da versão (Septuaginta), mas deixa claro que “prefere” utilizar o texto hebraico, para a sua definição de amor, principalmente porque quer porque quer transformar Davi e Jônatas em homossexuais.

Mas esperem um pouco ai! Quem entende mais de grego e hebraico o escritor do livro a Bíblia sem preconceitos, ou os 70 mestres judeus, escolhidos a dedo por conhecerem o grego clássico e o hebraico? A resposta é óbvia demais. E não se trata apenas disso, a Septuaginta merece mais respeito ainda com uma tradução séria que é, até porque foi utilizada nos tempos de Jesus, dos apóstolos e nos primeiros anos da igreja cristã! Naquela época a língua grega se tornou universal e era utilizada livremente no mundo civilizado. Jesus, os apóstolos e os cristãos dos primeiros séculos falavam grego e utilizavam a Septuaginta. 

Será que o escritor de A Bíblia sem preconceitos alguma vez já traduziu ao menos um livro da Bíblia do hebraico ou do grego, para o português? Claro que não! Sendo assim ele não pode se achar no direito de chamar de “doutrina religiosa homofóbica”, quando recorremos a Septuaginta a fim de mostrar o real significado da palavra “amor”, usada por Davi.

Se o tipo de amor que Davi expressa por Jônatas fosse um amor além de um sentimento de fraternidade não teríamos o termo grego ἀγάπησιν, mas teríamos Eros ou Erosin. A explicação que encontramos no Dicionário Internacional de Teologia é a seguinte: “Assim, ao falar-se do amor entre Jônatas e Davi (2 Samuel 1:26), expressa-se em termos de uma comunhão mais profunda do que o amor por uma mulher” (P.114- livro 1). Ou seja, eles se davam tão bem como amigos que o entrosamento deles era mais sincero e devotado do que  o entrosamento que tinha por uma mulher.

Aliás, mesmo se o termo usado no texto da Septuaginta fosse “eros”, nem isso justificaria o argumento que chama Davi de homossexual. Veja o que diz a Wikipéwdia:
“O érōs de Eros (ἔρως) significa a palavra grega moderna “ erotas ” com a sua significante de “o amor (romântico)”. Entretanto, o Eros não tem que ser de natureza sexual. O Eros pode ser interpretado como um amor para alguém que você ama mais do que o amor de Philos da amizade. Pode também aplicar-se a datar relacionamentos bem como a união. Platão refinada a sua própria definição. Embora o eros seja sentido inicialmente para uma pessoa, com contemplação transforma-se numa apreciação da beleza dentro dessa pessoa, ou transforma-se mesmo a apreciação da beleza própria. Deve-se anotar que Platão não conversa da atração física como uma parte necessária do amor, daqui o uso da palavra platônico significar, “sem atração física”. Para Platão o Eros também ajuda ao conhecimento da recordação da beleza da alma, e contribui para a compreensão da verdade espiritual. Os amantes e os filósofos todos são inspirados a procurar a verdade pelo eros. O trabalho antigo o mais famoso sobre o assunto eros é de Platão o Simpósio, é uma discussão entre os estudantes de Socrates sobre a natureza de eros.”

Contudo, a palavra que aparece não é “eros” é “àgape”. Uma pessoa que sente o amor “ágape” por outra pessoa, não pretende ter relações sexuais com ela está expressando um amor fraterno ou até mesmo paterno. Quando Jesus pergunta a Simão Pedro “Simão filho de João, amas- me?” por duas vezes Jesus usa a palavra “ágape”, a mesma que Davi usou para dizer que amava a Jônatas. Será que alguém se atreve a dizer que Jesus de Nazaré era homossexual, por causa disso?


Antes de finalizar, o leitor deve ficar ciente da defesa que o escritor do livro A Bíblia sem preconceitos faz de uma das versões bíblicas católicas:

“Por outro lado, é bom sabermos que nem tudo está perdido, pois hoje temos algumas traduções bíblicas, mais fiéis aos textos no idioma original. Em português, temos a “Bíblia de Jerusalém” que é atualmente a melhor tradução das sagrada Escrituras no mundo, onde teólogos judeus, cristãos e protestantes traduziram do hebraico, aramaico e grego para o francês sem intermediações pretensamente tradutológicas que acarretariam em qualquer distorção. Assim, quando queremos uma tradução mais fie recorremos à Bíblia de Jerusalém.” (P.50).

Todo esse elogio à Bíblia de Jerusalém está no capítulo 10 do livro, mas não creio que ele dissesse tudo isso se tivesse lido como ela traduz o texto de 2 Samuel 1:26: “tenho o coração apertado por tua causa, meu irmão Jônatas. Tu me eras imensamente querido, a tua amizade me era mais cara do que o amor das mulheres.”

Nem é preciso recorrer às versões protestantes ou até mesmo às comparações feitas entre o texto hebraico e grego para perceber que, no próprio texto, Davi, ao chamar Jônatas de irmão, já antecipa dizendo que tipo de apreciação nutria por seu amigo, considerando-o como um irmão e não como um parceiro com conotação sexual.
Não, Davi não pode ser taxado de homossexual como pretende o livro A Bíblia sem preconceitos, com base no texto de 2 Samuel 2:26, sobretudo porque a lei do AT era super respeitada por eles, e Davi sabia muito bem disso, pois está escrito na Toráh: “Não te deitarás como homem como se fosse mulher. É uma abominação.” (Lv 18:22- Bíblia de Jerusalém).

Davi apenas era amigo de Jonatas, amava-o com a própria alma. Mas amar com a própria alma não é o mesmo que se relacionar sexualmente? Claro que não! Nunca foi!

Preste  bem atenção nos textos abaixo e veja, que o próprio Deus fala sobre esse tipo de amizade. Como o próprio Deus que proibiu tal tipo de relacionamento, aprová-lo? Veja os textos abaixo e tire as suas conslusões.

“Sucedeu que, acabando Davi de falar com Saul, a alma de Jônatas se ligou com a de Davi; e Jônatas o amou como à sua própria alma. Saul, naquele dia, o tomou e não lhe permitiu que tornasse para casa de seu pai. Jônatas e Davi fizeram aliança; porque Jônatas o amava como à sua própria alma.” (1 Samuel 18.1-3)

Veja o que Deus diz: 
"Quando te incitar teu irmão, filho da tua mãe, ou teu filho, ou tua filha, ou a mulher do teu seio, ou teu amigo, que te é como a tua alma, dizendo-te em segredo: Vamos, e sirvamos a outros deuses que não conheceste, nem tu nem teus pais;"

Percebeu? Amar alguém com a alma não é ter relação sexual com ela.

Tenho plena certeza que o que foi dito até aqui é suficiente para que o leitor honesto considere e se necessário reconsidere os seus conceitos sobre o que foi dito pelo escritor da Bíblia sem preconceitos sobre Jônatas e Davi. Mas eu não posso encerrar esta parte do assunto sem algumas considerações a mais.

Fico imaginando como poderia Davi ser gay, sendo que Deus o repreendeu por ter se apossado da mulher de um dos seus melhores soldados, Urias; ou seja, por ter praticado o adultério sexual o que é claramente condenado em sua lei, porque ele não puniria a Davi se ele tivesse praticado a homossexualidade com Jônatas, já que isso também é uma prática condenada na mesma lei de Deus? 

Preste atenção nas próprias palavras e Davi. Saul queria que ele se casasse com Merabe, uma de suas filhas (1 Samuel 18:17), mas Davi era tão humilde de coração e respeitava tanto a Saul como alguém ungido e escolhido por Deus (1 Samuel 18:23) que disse: “Quem sou eu, e qual é a mina vida e a família de meu pai em Israel, para vir a ser eu genro do rei?” (1 Samuel 18:18). Davi precisaria ser muito fingido, grande mentiroso e pervertido para dizer o que disse a Saul, pai de Jônatas e ainda assim ficar se encontrando as escondidas para ter um caso de amor com Jônatas. 

Além disso, se na pior da hipóteses Davi e Jônatas fossem amantes, parceiros sexuais, compromissados um com o outro, Davi seria uma espécie de genro de Saul, não teria razão para ele dizer aquelas palavras. Contudo, se Davi respeitava a um homem que Deus escolhera recusando-se casar com uma das suas filhas, não teria ele mais respeito ainda pelo próprio Deus, que proíbe a prática da homossexualidade?


Preste atenção nas palavras de Jônatas “Quanto àquilo que eu e tu falamos, eis que  SENHOR está entre mim e ti para sempre” (20:13). “Vai-te em paz, porquanto juramos ambos em nome do SENHOR, dizendo: O SENHOR seja para sempre entre mim e ti, e entre a minha descendência e a tua. Seria preciso ter uma consciência muito cauterizada, ser muito insolente para dois homossexuais fazerem um pacto entre si invocando o nome do SENHOR, o mesmo SENHOR que disse: “Como homem não te deitarás como se fosse mulher: é abominação“ (Êxodo 18:29). Davi sabia muito bem disso! Ele conhecia o Deus a quem servia!


Lembre-se de que ele mesmo escreveu, inspirado pelo Espírito Santo, muitos salmos. Como pode alguém que foi inspirado pelo próprio Deus a dizer “Bem aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores,nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite (salmo 1:1), violar esta mesma lei a respeito da qual foi inspirado a escrever, sendo um homossexual, sendo que essa mesma lei proíbe isso? Muita gente não sabe mas a palavra “lei” que aparece no salmo 1, bem como em toda a Bíblia, refere-se aos primeiros cinco livros da Bíblia, também conhecidos como “pentateuco”. E é lá no pentateuco que está a proibição da prática da homossexualidade, como já vimos. Davi teria que ser muito pervertido e insolente para violar a lei de Deus.


Por outro lado, Deus seria no mínimo incoerente, se fizesse vista grossa a uma prática que ele mesmo condenou. Deus puniu a Davi por ter contado as pessoas, como quem confiasse apenas na quantidade e não em Deus. Deus puniu a Davi por ter cometido adultério o que é, também, condenado pela sua lei (êxodo 18:20), a mesma lei que proíbe a prática do homossexualismo ( êxodo 18:22). Certamente ele puniria a Davi se este fosse homossexual. 




Meus comentários sobre as palavras de Fábio na apresentação do livro: 

1. "MESMO CRIADO NO EVANGELHO desde criança, foi depois de conhecer o pastor Marcos Gladstone que compreendi o significado do livre acesso para adorar a Deus como realmente sou e a revelação do Senhor Jesus em suas palavras: "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." (João 8:32- P. 7 do livro BSP).

Até onde sabemos quem esclarece a  revelação de Deus ao homem é o Espírito Santo. É claro que Deus usa outros instrumentos, para nos ensinar, mas eu não acredito que ele fosse demorar tanto para trazer esta verdade a tona por meio de Marcos. Muitas pessoas podem se deixar enganar, simplesmente por serem dominadas pelo sentimento, pelo princípio do prazer.

2. "na minha experiência, a falta de conhecimento do que contém este livro (...) me fez viver por muitos anos escondido. menti para mim mesmo, sofri pelo autoengano, vivi de aparências no sentido de tentar ser aceito no meio dos irmãos e amigos de fé".

Então, em meio a uma gama enorme de reconhecidos e respeitados estudiosos (héteros) que consideramos instrumentos de Deus para nos ajudar a compreender a vontade de Deus contida em sua Palavra, só Marcos Gladstone foi suficientemente capaz de fazer isso; ele foi especialmente iluminado para suprir a "falta de conhecimento" de Fábio.

3. "Por muitos séculos vivemos no que poderíamos chamar de uma certa cegueira espiritual, na direção do medo, tapados pela mordaça da culpa, engessados por preconceitos religiosos."

O que Fábio considera como cegueira espiritual aqui refere-se a fato de se condenar a prática homossexual, como consta na Bíblia. Então, na opinião de Fábio, por muitos séculos, Deus não foi capaz de fazer os estudiosos da Bíblia que viveram antes de Marcos, entenderem e ensinarem que a Bíblia condena a prática do homossexualidade. Será que Deus é mesmo sábio? Será que ele sabe mesmo o que faz? Onde está o seu poder e capacidade para fazer tudo? Onde está o seu amor? Infelizmente, não há como não colocar em xeque o caráter de Deus, se pensarmos por este ângulo, como faz Fábio, a menos que nos tornemos céticos.

4. "Este é um livro que revelará o amor incondicional de um Deus inclusivo, diferente do "deus" preconceituoso que nos foi apresentado de forma errônea, e discriminatória.

Deus inclusivo, na opinião de Fábio é um Deus que não condena um homem que se deita com outro homem como se fosse mulher, ou uma mulher que se deita com outra mulher como se fosse homem, como consta na Bíblia Sagrada (veja os textos no início deste tópico). Um Deus que não permite que quem pratique a homossexualidade, participe do seu prometido reino. Para Fábio este Deus é um "deus", isto é, não é o verdadeiro Deus, porque quem usa a palavra "deus" com "d" minúsculo está dizendo isso, em outras palavras.

5.  "É lamentável ver tantas vidas que andam perdidas, sem rumo, aflitas e sofrendo. Pessoas que lutam contra um sentimento que sempre que sempre as acompanhou, sentimento que simplesmente a sua identidade e parte imutável de si mesmo. Sem direção tantos de nós foram a muitos lugares buscar respostas e só encontraram acusação e incompreensão."

Gostaria de saber quem ensinou ao Fábio que a vida cristã é um mar de rosas. Não é mesmo! Enfrentamos dificuldades em muitas circunstâncias da vida,seja em nossa relação com Deus, com nós mesmos ou com o nosso próximo. A vida é assim e não fomos nós que criamos as regras, elas nos foram dadas pelo Criador. Quando um cristão se posiciona contra a prática do homossexualismo não o faz com base em suas convicções, mas com base no que está escrito. 

Sendo assim, cabe a quem discorda justificar-se. Seria interessante refletir sobre o que diz o seguinte texto: Isaías 10:15 Mas será que o machado pensa que é mais importante do que o homem que o usa? Ou será que a serra imagina que vale mais do que a pessoa que serra com ela? Será que um bastão, um simples pedaço de madeira, é capaz de levantar um homem?

Nos dizeres de Fábio, quem é gay e está na igreja por amor a Deus e em respeito a sua vontade, lutando contra os impulsos do pecado, está sem direção. Se saíram em busca de respostas é porque não consideram as que já têm. Se um cristão abre a Bíblia e lê os textos onde a prática homossexual é condenada, tal cristão não serve, pois não fala o que as pessoas como Fábio querem ouvir. 

O que Deus estabelece só mesmo ele pode desfazer. Se ele disser que não tem problema, então não tem. Mas se ele disser que não se pode fazer algo, então é mais inteligente aceitarmos tal determinação e não tentar discutir com ele. Na prática da vida cristã não existe trégua entre o que Deus aprova e o que Deus desaprova, pelo contrário, existe sim uma constante demanda, uma inconformidade, uma guerra que ocorre no interior de cada cristão para que "os desejos da carne não prevaleçam". Sugiro a quem possa interessar a leitura dos livros"O adversário" de Marc L. Bubeck, ou o livro "O mundo a carne o o diabo" de Russel Shedd. Claro que o livro não trata especificamente sobre homossexualidade, antes, fala de forma geral sobre as facetas do adversário que investe contra o cristão, mas pode ajudar a identificar e entender melhor como lidar com isso. 

6.  "Por esta razão, muitas pessoas desistiram, pararam no meio do caminho e viraram as costas, justamente para Quem sempre as amou na sua totalidade."

Na verdade desistiram porque pararam de lutar, pararam de insistir, em vez negarem a si mesmas, seus impulsos e ai sim "viraram as costas" para "Quem" sempre as amou. Fábio culpa os cristãos chamando-os de "fariseus religiosos" que usam o nome de Deus para excluir e discriminar.  

Uma detalhe que tem chamado a atenção das pessoas hoje é que o movimento que defende a prática da homossexualidade, se mostra muitas vezes agressivo. Um casal hétero por mais apaixonados que sejam, não fica, se beijando em público de graça, eles procuram fazer isso, nos lugares adequados. A atitude de muitos homossexuais é exatamente oposta. Não faz muito tempo que eu estava no ônibus com a minha filha e duas mulheres faziam questão de se beijarem, mesmo sabendo que haviam crianças ali, como quem desejassem dizer "você não podem fazer nada, são obrigados a nos aceitar, ou serão taxados de homofóbicos". É uma atitude hostil e provocante, mais ou menos como o torcedor do Palmeiras que provoca o torcedor do Coríntias, ou como o torcedor do Flamengo, provocando um torcedor do Vasco, que são rivais clássicos. 


Link para a quem desejar consultar a Septuaginta online: http://bibledatabase.net/html/septuagint/
Link para quem desejar consultar a Bíblia hebraica Online: http://www.hareidi.org/bible/bible.htm